18 de jul de 2010

Rumo ao Matadouro

Postado por 冥王 せつな às 18:02
Pessoal,esse é um artigo que escrevi que envolve a questão da reflexão :)

Na volta da faculdade, dentro do ônibus, algumas vezes me surpreendo com algumas falas, como por exemplo, reclamações do emprego, dos filhos, do marido, enfim, de coisas cotidianas.
Aí surgem questionamentos dentro de mim, um deles é qual o motivo das pessoas reclamarem tanto do emprego e continuar nele por anos? Será que não é possível ficar um tempinho, guardar um pouco de dinheiro e ir atrás de outro mais satisfatório? Imagine que ótimo seria, as pessoas trabalhariam sorridentes e com a alma mais tranquila.
Também me pergunto o motivo de tanta reclamação dos filhos, afinal, antes de se ter um filho, deve-se ter um bom planejamento familiar... Certo? Muitas pessoas podem pensar “Ah, mas estamos no Brasil, é assim mesmo’’... mas não é não, o Brasil tem pessoas éticas e outras não, essa é a questão, se aprendermos a valorizar a ética e a importância da reflexão de nossos atos poderemos mudar essa mentalidade mesquinha de “é assim mesmo”
Sobre o marido ou esposa, enfim, a pessoa que decidimos compartilhar nossa vida, nossa intimidade, nossos sonhos, será que preciso comentar que é preciso uma boa reflexão antes de assumir uma união?
Uma vez uma amiga me contou que para sabermos se a pessoa que estamos namorando é a ideal para vivermos a vida “até que a morte nos separe”, uma coisa é necessária, a conversa. Conversa? Sim, isso mesmo, aquela pessoa que você pode conversar até de madrugada, que junto com você faça novas ideias brotarem, que você possa deitar em seu colo e depois da deliciosa conversa, deitar ao seu lado e dormir tranquilamente, essa sim você poderá casar. Hoje em dia as pessoas esqueceram o benefício da conversa, da palavra, por isso tantas brigas, violência verbal e a mídia do jeito que está.
Para as pessoas que estão rumo ao matadouro, sem questionar os seus passos, podem continuar avançando ou decidir trilhar outro caminho, não aquele imposto por alguém ou por alguma igreja com seu modelo dogmático, mas o seu próprio caminho, esse sim, não tenha medo de abandonar o caminho do matadouro, deixe o inverno se tornar primavera em seu caminho que apareceu só para você.

6 comentários on "Rumo ao Matadouro"

Thiago on 18 de jul de 2010 18:17:00 disse...

É realmente, falta mais darmos a nós mesmos 5 minutos em silencio e refletir muito, muito no vida, no que tem feito, no que faz e no que poderá fazer... mas nem tudo está perdido ne, como disse Chico: "Embora ninguem possa voltar atras e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim" ;-)

Meiou Setsuna on 18 de jul de 2010 18:19:00 disse...

sim...falta reflexão nesse povo ^^

Marisol Maryline on 19 de jul de 2010 22:45:00 disse...

Estou me sentindo no caso do emprego, eu reclamo dele, mas ele me traz coisas boas. Não é algo que eu queira fazer pelo resto da vida, mas fico em dúvida... O que eu tinha decidido era seguir meus sonhos. É mais difícil aguentar um emprego que não se goste ou correr atrás de um sonho? Acho que seria mais difícil realizar o sonho.
Na questão de reclamar dos filhos... Como trabalho em escola as mães são um pouco(?) desnaturadas, dá uma má impressão, não é tudo perfeito como queriam que fosse, mas se fosse tudo perfeito não teria o que se fazer...
Reclamar não é algo ruim, ruim é reclamar demais, enchendo a paciência de todo mundo. O que faz alguém gritar: "Se está tão insatisfeito por que não faz alguma coisa para mudar?!"

Marisol Maryline on 19 de jul de 2010 22:46:00 disse...

Gostei do artigo :]

Meiou Setsuna on 20 de jul de 2010 18:54:00 disse...

Será que não da pra adaptar?!
Conseguir um emprego meio período?Ou conseguir um emprego mais legal?Ou ganhar dinheiro com o nosso verdadeiro dom??^^
O ruim é nascer na lama,viver e morrer reclamando...na lama :/

Meiou Setsuna on 20 de jul de 2010 18:57:00 disse...

Ah,e agradeço os comentários ^^
São muito importantes pra mim e pro blog ;)

 

Luz de Abajur Copyright 2009 Sweet Cupcake Designed by Ipiet Templates Image by Tadpole's Notez